Make your own free website on Tripod.com

MENSAGENS FINAIS

QUEM SOMOS

NISTO CREMOS

ESTUDOS

JUDICIAIS

CARTAS

O que Jesus quis dizer, quando afirmou: "Antes que Abraão Existisse EU SOU".?

ANALISANDO O CONTEXTO – JOÃO 8: 58

“Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade eu vos digo: antes que Abraão existisse, EU SOU.” João 8: 58.

A fim de não cometer enganos quanto à interpretação da Bíblia Sagrada, lembremo-nos das palavras de Pedro:

“Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de PARTICULAR INTERPRETAÇÃO;” (2 Pedro 1:20 Revista e Corrigida).

As regras bem conhecidas para um mais acurado estudo de um determinado texto bíblico são:

1. Analisar o próprio texto: Por vezes texto que está sendo lido possui a explicação inicial do assunto dando um sentido completo sem necessitar de outros textos que o expliquem. Neste caso, deve-se recorrer a outros textos apenas para CONFIRMAREM a posição e o entendimento do verso em estudo.

2. O contexto imediato: Quando o verso estudado não fornece as informações necessárias ao entendimento pleno do assunto, DEVE-SE analisar seu contexto imediato como segue:

a) Os versos anteriores e posteriores ao texto

b) o capítulo inteiro

3. O Contexto do livro: Quando ainda assim, após o esquadrinhar dos contextos imediatos, o verso em estudo ainda não fica claro, o próximo passo é consultar o livro em que o versículo está inserido.

4. Contexto geral: Se a dúvida ainda persistir é necessário pesquisar em toda a Bíblia outros textos e contextos que tratem do mesmo assunto.

Embora estas regras sejam excelentes para evitar possíveis erros, não são infalíveis. Um estudo sem oração, sem a instrução de Deus, certamente erraremos o caminho.

Junte às regras acima:

A) Desejo de fazer a vontade de Deus

“Se alguém QUISER FAZER A VONTADE DELE, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se eu falo por mim mesmo.” (João 7:17 RA)

 

B) Ter unicamente Jesus como professor através de Seu Espírito

 

“Está escrito nos profetas: E SERÃO TODOS ENSINADOS POR DEUS. Portanto, todo aquele que da parte do Pai tem ouvido e aprendido, esse vem a mim.” (João 6:45 RA)

 

“Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque UM SÓ É O VOSSO MESTRE, a saber, O CRISTO, e todos vós sois irmãos.” (Mateus 23:8 RC)

Passemos ao estudo do “Eu Sou”.

Muitos comentaristas afirmam que o texto em alusão “prova” que Jesus tinha preexistência “ETERNA”.  É isso mesmo que Jesus queria dizer quando afirmou: “Antes que Abraão existisse, Eu Sou?”.

Sigamos as regras acima a fim de deixar que “a Bíblia explique a si mesma”:

O CONTEXTO IMEDIATO

Jesus se encontrava no templo logo pela manhã, após retornar do monte das oliveiras (João 12:1, 2) quando os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher que fora apanhada em flagrante adultério (versos 3 e 4). Os versos 5 a 11 tratam da acusação dos fariseus e o perdão que Jesus concedera a mulher.

No verso 9 é dito que “quando ouviram isso [a acusação de Cristo de que eles tinham pecado], saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficaram só Jesus e a mulher, que estava no meio.

Este “saíram” não significa que deixaram o templo, mas que se distanciaram de Jesus e da mulher. Pois no verso 12 é dito que “Jesus, falou-lhes outra vez”. Portanto, eles (escribas e fariseus) permaneceram ainda no recinto do templo, ouvindo a continuação do discurso de Cristo.

Leiamos agora o verso 12:

“Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida”.

Logo, diante dessa afirmativa de Jesus, “Eu sou a luz do mundo”, os fariseus prontamente lhe opuseram (verso 13):

“Disseram-lhe, pois, os fariseus: Tu testificas de ti mesmo; o teu testemunho não é verdadeiro”.

Nos versos 16 a 18, Jesus afirma que outro (O Pai) testifica a seu respeito, portanto, possui base legal para essa afirmação.

No verso 23 encontramos outra afirmativa de Jesus:

“E dizia-lhes: Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo”.

Temos então, as afirmativas de Jesus:

1. Eu sou a luz do mundo

2. Eu sou de cima

3. Eu não sou deste mundo.

Veja agora o verso seguinte (verso 24):

“Por isso, vos disse que morrereis em vossos pecados, porque, se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados”. Almeida Revista e Corrigida.

Vamos juntar as peças:

Verso 12 – Eu sou a luz do mundo

Verso 23 – Eu sou de cima

Verso 24 – Se não credes que eu sou morrereis nos vossos pecados

O entendimento fica claro: “Se não credes que eu sou [a luz que veio de cima para iluminar o mundo], morrereis em vossos pecados”. Almeida Revista e Corrigida. Grifos e colchetes nossos.

Veja o que João escreveu a respeito do Messias:

“[Jesus é] a verdadeira luz, que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem”. João 1:9. Revista e Corrigida.

Logo em seguida, no verso 25, os judeus, apesar de todas as provas e argumentações apresentadas por Jesus, ainda insistiam em perguntar:

“Disseram-lhe, pois: Quem és tu? Jesus lhes disse: Isso mesmo que já desde o princípio vos disse”.

Já no verso 28, O Senhor Jesus declara a respeito de sua crucifixão:

“Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do Homem, então, sabereis que EU SOU e que nada faço por mim mesmo; mas falo como o Pai me ensinou”. Almeida Revista e Atualizada. (ênfases e grifos nossos).

Este texto é muito importante, pois faz duas afirmações esclarecedoras:

1. Eu sou (a luz que veio de cima para iluminar o mundo)

2. Que NADA faço por mim mesmo, mas falo como o Pai ME ENSINOU.

Jesus declara sua origem celestial, ou seja, sua divindade (Eu sou de cima – verso 23) e sua inteira humanidade despida de seus atributos divinos (onipotência e onisciência). Este texto contraria inteiramente a intenção dos trinitaristas de usarem argumentos de que Jesus nesta terra era DEUS-homem. Cristo estava afirmando sua ORIGEM CELESTE, e que estava naquele preciso momento em sua condição humana, completamente, inteiramente humana (nada posso fazer de mim mesmo).  “Eu foi exatamente isso que Paulo afirmou em Filipenses 2:6, 7:

“Pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana

Outra poderosa declaração de Cristo provocou a ira dos fariseus que conversavam com ele:

“Disse-lhes, pois, Jesus: Se Deus fosse o vosso Pai, certamente, me amaríeis, pois que eu saí e vim de Deus; não vim de mim mesmo, mas ele me enviou”. João 8:42. (Revista e Corrigida).

Aqui, Jesus afirma que “SAIU DE DEUS”, ele NASCEU do Pai e depois o Pai o enviou ao mundo. Esta declaração dilacera a doutrina da trindade e sua tentativa de provar que Jesus era Co-eterno com o Pai.

Pois o mesmo Pai vos ama, visto como vós me amastes e crestes que saí de Deus. Saí do Pai e vim ao mundo; outra vez, deixo o mundo e vou para o Pai. João 16:27,28.

Porque lhes dei as palavras que me deste; e eles as receberam, e têm verdadeiramente conhecido que saí de ti, e creram que me enviaste. João 17:8

De Abraão está escrito:

“A isto respondeu logo o SENHOR, dizendo: Não será esse o teu herdeiro; mas aquele que será gerado de ti será o teu herdeiro”. Gênesis 15:4

“Disse-lhe mais: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; sê fecundo e multiplica-te; uma nação e multidão de nações sairão de ti, e reis procederão de ti”. Gênesis 35:11

Sair dele, significa “NASCER dele”. Isaac nasceu de Abraão. Jesus nasceu de Deus nas eras passadas e depois foi enviado para salvar.

E finalmente, concluindo nosso estudo, eis o último texto:

“Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se. Disseram-lhe, pois, os judeus: Ainda não tens cinqüenta anos e viste Abraão? Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que, antes que Abraão existisse, eu sou”. João 8:56-58 (Almeida Corrigida)

De acordo com o contexto apresentado, o que de fato disse Jesus? Façamos a relação:

Verso 58 – Antes que Abraão existisse

Verso 12 – Eu sou a luz do mundo

Verso 23 – Eu sou de cima

Verso 24 – Se não credes morrereis nos vossos pecados

Então teremos:

Eu sou aquele que saiu (nasceu) de Deus [João 8:42] veio de cima [verso 23], pois fui enviado pelo meu Pai [verso 42] como a luz para iluminar o mundo [verso 12] e antes mesmo que Abraão existisse [verso 58] eu já iluminava o mundo. Se não credes nisso morrereis nos vossos pecados [verso 24]

Portanto, Jesus procurou provar:

1. Sua existência anterior a de Abraão

2. Sua origem e filiação divina

3. Sua missão como enviado de Deus para iluminar os homens conduzindo-os das trevas para a luz.

Como pudemos ver, nada prova sobre a “preexistência eterna” de Jesus, mas sim, que ele teve sua origem em Deus.

Veja na sua Bíblia os seguintes textos e medite sobre isso:

Então, lhes perguntou: Mas vós, quem dizeis que eu sou? Respondendo, Pedro lhe disse: Tu és o Cristo. Marcos 8:29. 

Ele, porém, guardou silêncio e nada respondeu. Tornou a interrogá-lo o sumo sacerdote e lhe disse: És tu o Cristo, o Filho do Deus Bendito?Jesus respondeu: Eu sou, e vereis o Filho do Homem assentado à direita do Todo-Poderoso e vindo com as nuvens do céu. Marcos 14:61, 62

Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede. João 6:35.