Make your own free website on Tripod.com

MENSAGENS FINAIS

QUEM SOMOS

NISTO CREMOS

ESTUDOS

JUDICIAIS

CARTAS

 João 10:17-18 Poderia Provar a Auto-Ressurreição de Jesus Cristo?

Irmão Elpídio,

Em seu artigo Entenda como a Doutrina da Trindade Nega a Morte de Cristo no Calvário e Aproxima a IASD do Espiritismo, você lança um desafio para que encontrem um texto que diga que Cristo Se auto-ressuscitou.

O que você me diz de João 10:17-18:

“Por isso o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém a tira de mim, mas eu espontaneamente a dou. Eu tenho autoridade para dá-la, e autoridade para tornar a tomá-la. Este mandato recebi de meu Pai.”

O que este verso quer dizer?

Compreendo que existem vários outros versos que dizem que foi o Pai quem ressuscitou a Jesus, como você mesmo mencionou no final de seu artigo, mas e quanto a este verso onde o próprio Jesus diz ter autoridade para tornar a tomar Sua vida?

Você também mencionou que Jesus não teve duas natureza (humana e divina) simultaneamente, mas existem dois textos de Ellen White que me deixaram um pouco confuso:

“Os Dez Mandamentos foram proferidos pelo próprio Deus, e escritos por Sua própria mão. São de composição divina e não humana. Mas a Bíblia, com suas verdades dadas por Deus expressas na linguagem dos homens, apresenta uma união do divino com o humano. Tal união existia na natureza de Cristo, que era o Filho de Deus e o Filho do homem. Assim, é verdade quanto à Bíblia, como acerca de Cristo, que 'o Verbo Se fez carne, e habitou entre nós'. João 1:14.” Mensagens Escolhidas, vol.1, pág. 25

União do divino com o humano – Não seria isto duas naturezas?

“Todavia foi o Filho de Deus que veio ao mundo na forma humana. Pondo de lado Suas vestes e coroa reais, revestiu da humanidade a Sua divindade, a fim de que as pessoas, mediante o infinito sacrifício por Ele feito, pudessem tornar-se participantes da natureza divina, e escapar à corrupção que pela concupiscência há no mundo.” Testimonies, vol. 9, pág. 68

Se o Filho de Deus revestiu Sua divindade com a humanidade, não preservou Ele Sua divindade? A expressão “revestiu” não teria o sentido de cobrir sua divindade com a humanidade?

Só mais uma última dúvida: Na tentação no deserto, Satanás disse para Cristo transformar pedras em pães. Que tentação seria esta se Ele realmente não tivesse poder inerente em Sua divindade oculta em Sua humanidade? Se o diabo pedisse isso para mim, tal pedido não se enquadraria numa tentação, pois eu não possuo nenhum poder inerente capaz de tal milagre. O inimigo não estaria tentando Jesus a usar seus poderes divinos ao invés de depender única e exclusivamente do poder do Pai?

No curso teológico nos ensinaram que o mistério da encarnação envolvia o fato de Jesus ser 100% Deus e 100% homem, mas enquanto viveu entre nós nunca utilizou qualquer recurso de Sua divindade, mas sujeitou-se inteiramente ao Pai usando apenas os recursos que a nós também estão disponíveis.

Sou adventista de berço, e sempre acreditei naquilo que minha igreja acredita por entender estar tudo muito bem fundamentado na Bíblia. Nunca entendi a doutrina da Trindade, mas eu achava que como se tratava da natureza de um Deus infinito, seria muita petulância querer compreender aquilo que nem os anjos saberiam explicar. Mas confesso nunca ter tido a atitude dos bereanos com respeito a este assunto (Eu achava se os doutores da Andrews e do SALT-atual UNASP- diziam que era assim, é porque estudaram a fundo com muita sinceridade e oração).

Infelizmente (ou felizmente, ainda não estou bem certo) hoje já não sou tão ingênuo ou tão crédulo com tudo aquilo que minha igreja, através de seus teólogos, ensina.

Há dois anos comecei a estudar o argumento dos não-trinitaristas e vi muita lógica e coerência nos seus ensinos. Hoje já não me considero um Trinitarista na plena concepção da palavra, principalmente depois de conhecer as denúncias do nosso irmão Ennis Meier. Mas ainda nem tudo está tão claro quanto parece.

Por isso, ao responder meus questionamentos, não me tenha como um opositor que só quer provar que você está errado, mas sim alguém que vem buscando sinceramente entender a verdade tal como é anunciada pela Bíblia, e tal como foi defendida por nossos pioneiros.

Um forte abraço.

Ancião em busca da verdade

Resposta do Irmão Elpídio da Cruz Silva

O irmão ancião sugere que Cristo quando disse possuir vida em Si mesmo, teria colocado a possibilidade de sua auto-ressurreição. Mas morto não pode se auto-ressuscitar!

Veja o que Ellen G. White comentou sobre o texto mencionado.  

"Dou a minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de Mim, mas Eu de Mim mesmo a Dou; tenho poder para dar, e poder para tornar a tomá-la." Conquanto como membro da família humana fosse mortal, como Deus era Ele a fonte da vida para o mundo. Poderia haver detido os passos da morte e recusado ficar sob seu domínio; mas voluntariamente entregou a vida, a fim de poder trazer à luz a vida e a imortalidade. Suportou o pecado do mundo, sofreu-lhe a maldição, entregou a vida em sacrifício, para que o homem não morresse eternamente." O Desejado de Todas as Nações, pág. 467.  

Assim, segundo cremos, o Dom Profético diz que, como homem, Cristo era mortal. Mas note que não diz que, como Deus, Ele era imortal. O que o texto diz é que, como Deus, Ele era a fonte de vida para o Universo e que poderia haver detido os passos da morte e não ter se sujeitado à ela.  

O que ele diz é que Cristo aceitou morrer por sua própria decisão e não por estar sujeito a um fenômeno sobre o qual não tinha nenhum poder para impedi-lo.

O que ele não diz é que Cristo tenha se auto-ressuscitado ao terceiro dia.  

O texto se refere ao caráter voluntário da morte de Jesus, de Sua possibilidade de não se submeter a ela se Ele quisesse e do direito que ele tinha de receber sua vida de volta.

Então, o desafio continua: Quem conhecer, apresente um texto bíblico que diga que Cristo tinha duas naturezas simultâneas e que se auto-ressuscitou. - Elpídio da Cruz Silva, adventista há mais de 20 anos.

 

NOTA Mensagens Finais - Cristo tinha ciência de sua origem divina mas jamais fez uso de seus atributos inerente à divindade! E, foi justamente nisto que consistiu a primeira tentação: Fazer com que Jesus abrisse mão de morrer pela humanidade e usasse, por um momento que fosse, de Sua divindade deixada junto o Pai (Fil 2:6-7), tornando-O assim, incapacitado para ser o nosso modelo...

VEJA Também: Entenda como a Doutrina da Trindade Nega a Morte de Cristo no Calvário e Aproxima a IASD do Espiritismo

HOME